Trinta-por-uma-linha

Ajudamos a escrever e a publicar livros de Literatura Infantil e Juvenil

Existe alguma relação entre escrever e correr?

A escritora norte-americana Joyce Carol Oates, no livro A Fé de um escritor, assegura que sim, que existe uma relação íntima entre correr e escrever.


Num capítulo com o título “Correr e escrever” começa por dizer:


Correr! Se existe alguma atividade mais prazenteira, mais estimulante, mais propícia a alimentar o exercício da imaginação, não me ocorre que outra poderá ser.

Ao correr, a mente voa juntamente com o corpo; a misteriosa eflorescência da linguagem parece pulsar no cérebro, ao ritmo dos nossos pés e acompanhando o movimento oscilante dos nossos braços.


Escritores e poetas são famosos por gostarem de estar em movimento. Se não for a correr, a andar de bicicleta; se não for a dar ao pedal, então a andar a pé.


E acrescenta:


Os grandes poetas românticos ingleses foram nitidamente inspirados pelos longos passeios, fizesse chuva ou sol...


E cita Wordsworth, Coleridge, Shelley, Henry David Thoreau; Chardes Dickens, Walt Whitman, entre outros...


E dá o seu próprio testemunho, ao escrever:


Correr é uma meditação; na sua forma mais prática, permite-me percorrer com os olhos da mente as páginas que acabo de escrever, procedendo a uma leitura de provas para encontrar erros e melhorar o texto...


E conclui:


As atividades gémeas de correr/escrever mantêm o escritor razoavelmente s\o e na esperança, ainda que ilusória e temporária, de manter tudo debaixo de olho...


Podemos concluir que, a crer na experiência de tantos escritores e poetas, correr ajuda o processo de escrita, seja no que toca a procurar e organizar ideias, seja no que diz respeito ao processo de melhoria e revisão do texto.


Enfim, corre e escreve..., mas não escrevas a correr!


Boas escritas!

Comentários!

Política de Privacidade I Termos e condições

© 2021 | Trinta-por-uma-linha