Trinta-por-uma-linha

Ajudamos a escrever e a publicar livros de Literatura Infantil e Juvenil

Jonathan Franzen: 

Decálogo de escrita!

Jonathan Franzen (Chicago, 17 de agosto de 1959) é escritor e jornalista no The New Yorker

Estreou-se em 1988 com "A cidade 27" e obteve sucesso com "As correções", em 2001. 

O seu livro "Liberdade" (2011) foi considerado um dos grandes romances deste século XXI.


Eis o seu decálogo de escrita:


1. O leitor é um amigo, não um inimigo ou um espectador.


2. Ficção que não seja aventura pessoal do seu autor ao entrar no desconhecido ou o que mais o assusta, só vale a pena escrevê-la por dinheiro.


3. Nunca uses a palavra "então" como uma conjunção, já temos a palavra "e" para isso. O uso de todos aqueles "então" nada mais é do que a falsa solução que um escritor preguiçoso deu para o problema de ter muitas repetições da conjunção "e" numa única página.


4. Escreve sempre na terceira pessoa, a menos que tenhas encontrado uma voz realmente distinta para narrar na primeira pessoa e não consigas tirá-la da cabeça.


5. Numa época em que a informação é gratuita e universalmente acessível, gastar muito tempo documentando o teu romance faz com que tanto a documentação quanto o próprio romance sejam irremediavelmente desvalorizados.


6. A ficção mais autobiográfica é aquela que exige mais criatividade. Ninguém jamais escreveu uma história mais autobiográfica do que Kafka, A Metamorfose.


7. Verás mais sentado nalgum lugar do que correndo atrás de algo.


8. É difícil acreditar que alguém com uma conexão à Internet no local de trabalho possa escrever boa literatura.


9. Verbos interessantes raramente são muito interessantes.


10 Precisas de ter amado algo para ser implacável com ele.


Comentários!

Política de Privacidade I Termos e condições

© 2021 | Trinta-por-uma-linha